domingo, 23 de novembro de 2008

Jiddu Krishnamurti 1895-1986


Jiddu Krishnamurti nasceu no dia 12 de maio de 1895 em uma pequena cidade chamada Madanapalle, na India. Desde criança, Krishnamurti foi educado pela Sociedade Teosófica para se tornar um líder espiritual mundial. Todavia, quando adulto, sua vida tomou um curso diferente. Em 1922, Krishnamurti se mudou definitivamente para a California, nos Estados Unidos, onde ele passou a conversar com pessoas do mundo todo que o visitavam ali, atraídas por suas idéias.

Em 1929 ele se separou definitivamente da organização que o considerava como seu líder predestinado, a Ordem da Estrela, e passou a ser conhecido como um dos mestres espirituais mais iconoclásticos e influentes do século XX. Krisnamurti repudiou não apenas suas conecções com todas as religiões e ideologias, mas também se negou a aceitar que ele mesmo tivesse qualquer autoridade espiritual. Um viajante incansável, ele rejeitou também laços que o unissem permanentemente a qualquer país ou nação, nacionalidade ou cultura específica. E apesar de sempre fazer palestras para enormes multidões que o seguiam pelo mundo, Krishnamurti nunca aceitou nenhum pagamento por tais palestras ou pelos livros que escreveu durante sua vida.

Jiddu Krishnamurti morreu no dia 17 de fevereiro de 1986. Seus ensinamentos podem ser encontrados em livros, filmes, cursos universitários, seminários e nas escolas que ele fundou. Até 1990, seus trabalhos já tinham sido traduzidos para 47 idiomas, incluindo o idioma Swahili e, através desses trabalhos sua influência atingiu um nível mundial. Suas idéias, as quais revolviam em torno da centralidade de uma consciência individual livre dos filtros pré-programados das religiões e culturas mundiais, atraíram uma miríada de seguidores, os quais incluiram George Bernard Shaw, Greta Garbo, Bertrand Russell, Aldous Huxley, Joseph Campbell, Albert Einstein, Alan Watts, Jackson Pollock, Anne Morrow Lindbergh, Christopher Isherwood e Charlie Chaplin.

Jiddu Krishnamurti's objetivo era libertar a humanidade. Ele afirmava que o indivíduo é libertado quando ele consegue observar seu próprio condicionamento psicológico, e que esta constatação permitirá que ele consiga oferecer amor a seu próximo. "Se você quiser passar estes ensinamentos adiante, para outras pessoas", dizia Krishnamurti, "viva-os e pratique-os em sua própria vida diariamente e, através de sua vida e de seu exemplo, você estará repassando-os aos seus semelhantes".


Frases de J. Krishnamurti


Não há nada que conduza à verdade. Temos que navegar por mares sem roteiros para encontra-la.


A inteligência não está buscando segurança. Ela não tem segurança. A idéia de segurança não existe na inteligência. Ela por si mesma é segura, e não "busca segurança".

A inteligência tem harmonia em si mesma.

A inteligência usa o pensamento.

A mente ou organismo, o pensamento, o cérebro com todas as suas memórias, experiências e tudo isso, que é tudo do tempo. E a mente diz "Posso chegar a isso?". Ela não pode. Então eu digo a mim mesmo "Como ela não pode, ficarei quieto".

Então a inteligência é necessária. Sem ela, o pensamento não tem significado, de todo.

Então o pensamento realmente criou um mundo de ilusão, miasma, confusão, e pôs a inteligência de lado.

Então o pensamento é mensurável; a inteligência não. E como acontece de essa inteligência vir a existir? Se o pensamento não possui relação com a inteligência, então, é a cessação do pensamento o despertar da inteligência? Ou o que ocorre é que a inteligência, sendo independente do pensamento, e não sendo do tempo, existiu sempre?

Então o pensamento é um ponteiro. O conteúdo é a inteligência.

Então o que é a fonte? Ela pode sequer ser nomeada? Por exemplo, o sentimento religioso dos judeus é que isso é inominável: você não nomeia, não pode falar a respeito, não pode tocar. Pode-se apenas olhar. E os hindus e outros dizem a mesma coisa de um modo diferente. Os cristãos iludiram a si mesmos pela palavra Jesus, essa imagem, eles nunca foram à fonte disso.

Então, como ser humano, eu ficaria preocupado apenas com essa questão central. Eu sei o quão confusa, contraditória, desarmoniosa a vida está. É possível modificar isso de modo que a inteligência possa funcionar em minha vida, de modo que eu possa viver sem desarmonia, de modo que o ponteiro, a direção seja guiada pela inteligência? Esse talvez seja o porquê de as pessoas religiosas, em vez de utilizarem a palavra inteligência, terem utilizado a palavra Deus.

Essa questão surgiu e eles dizem "Tudo bem, então eu devo controlar o pensamento, subjugar o pensamento e devo tornar minha mente quieta de modo que ela se torne inteira, então eu poderei ver as partes, todos os fragmentos, então eu tocarei a fonte.". Mas isso ainda é a operação do pensamento.

Esse é o ponto. Pensamento, matéria e inteligência, têm eles uma fonte comum? (longa pausa) Acho que têm.

Eu acho que isso é o que realmente ocorre. Quando você estava falando comigo - eu estive percebendo - eu não estava escutando muito suas palavras. Eu estava escutando você. Eu estava aberto a você, não a suas palavras, o que você explicou e etc. Eu disse a mim mesmo, tudo bem, abandone tudo isso, eu estou ouvindo você, não as palavras que você usa, mas o significado, a qualidade interior do seu sentimento que você queria me comunicar.

Eu aprenderei como estar quieto; aprenderei como meditar com o objetivo de ficar quieto. Eu vejo a importância de se ter uma mente que seja livre do tempo, livre do mecanismo do pensamento, eu a controlarei, a subjugarei, expulsarei o pensamento. Mas isto ainda é operação do pensamento. Isso está muito claro. Então o que ela deve fazer? Porque um ser humano vive nessa desarmonia, ele deve questionar isso. E isso é o que estamos fazendo. Como começamos a questionar isso, ou no questionar, chegamos a essa fonte. É ela uma percepção, um insight, e esse insight não tem nada, coisa alguma a ver com o pensamento? É o insight o resultado do pensamento? A conclusão de um insight é pensamento, mas o insight propriamente não é pensamento. Assim, eu obtive uma chave para isso. Então o que é insight? Posso convidá-lo, cultivá-lo?

Isso é afeição, isso é amor. Quando você fala à minha consciência desperta, ela é dura, esperta, sutil, aguda. E você a penetra, penetra-a com seu ver, com sua afeição, com todo o sentimento que tem. Isso opera, nada mais.

Ler nas entrelinhas.

Liberdade para ver. A liberdade não existe quando há fragmentos.

Mas veja, o pensamento tem dominado o mundo. Você entende? - dominado.

Nunca perceberam que foram pegos no pensamento.

Não pode dividir a si mesma como "minha inteligência" e "sua inteligência". Ela é inteligência, não é divisível. Agora ela brotou de uma fonte de energia que dividiu a si mesma.

O cérebro barulhento não é inteligente, é claro!

O cérebro é apenas um instrumento.

O pensamento e seu campo de segurança, seu desejo por segurança, criou a morte como algo separado dele mesmo.

O pensamento sabe, está muito bem consciente de que não é imortal.

O pensamento tem que ter segurança; está procurando por segurança em todo o seu movimento.

O pensamento é mecânico; sendo mecânico, pode se mover em direções diferentes e tudo o mais. É a inteligência mecânica? Coloquemos dessa forma.

O pensamento é um processo material, e qual é a relação entre ele e a inteligência? É a inteligência um produto do pensamento?

O pensamento, o intelecto, domina o mundo. E portanto a inteligência tem um lugar muito pequeno aqui. Quando uma coisa domina, a outra tem de ser subserviente.

Ou seria a inteligência a quietude do cérebro?

Pensamento, matéria, o mecânico, é energia. Inteligência também é energia. O pensamento está confuso, poluído, dividindo a si mesmo, fragmentando a si mesmo.

Portanto eu diria que o pensamento deve estar completamente quieto para o despertar da inteligência. Não pode haver um movimento de pensamento e ocorrer o despertar da inteligência.

Se o cérebro não estiver harmonioso, a inteligência pode funcionar?

Veja, os Hindus têm a teoria de que a inteligência, ou Brahman, existe eternamente e que é coberta pela ilusão, pela matéria, pela estupidez, por todos os tipos de coisas errôneas criadas pelo pensamento. Eu não sei se você iria tão longe assim.

o pensamento não pode ver a si mesmo morrer.

o que é a fonte? Pode o pensamento encontrá-la? E ainda assim o pensamento nasceu dessa fonte; e a inteligência também. São como dois fluxos se movendo em direções diferentes.

todo o mundo ocidental é baseado na medida; e o mundo oriental tentou ir além dela. Mas eles utilizaram o pensamento para isso.

Ó, isso está muito claro. Prazer, conforto, segurança física, primeiro de tudo segurança física: segurança no relacionamento segurança na ação, segurança...

2 comentários:

mariabaua disse...

Nunca tinha ouvido falar de Krishnamurti até ontem, quando li uma entrevista com René Barbier em que ele cita Jiddu como uma de suas grandes inspirações.
Hoje, estou como Barbier, encantada com o que ele diz. E apesar de às vezes não conseguir entendê-lo muito bem, percebo que isso não é exatamente um problema.
Parabéns pela postagem!

☼ Charini ☼ disse...

Muito obrigada, Maria. Fico feliz por você ter encontrado mestre Krishnamurti e por ter gostado desta postagem. Já o conheço a algum tempo e gosto muito também. Abraços, Paz e Luz para você sempre! ~Vivi